Cultura

MISHLAWI E A EXPLOSÃO DE HIP-HOP NO HARD CLUB

A grande revelação do R&B e hip-hop português estreou-se no Hard Club com sala esgotada. O artista luso-americano apresentou Solitaire - o seu primeiro álbum - e trouxe convidados especiais. Por Darcielle Costa.

De YouTube sensation a um dos artistas mais ouvidos em Portugal, Mishlawi apresentou-se pela primeira vez no Porto com duas datas esgotadas no Hard Club. Conhecido pelo seu estilo de trap-soul, R&B e hip-hop, já se tinha apresentado em grandes festivais de música como o Rock In Rio e o MEO Sudoeste, mas este foi o primeiro concerto em nome próprio.

Ainda com a sala por encher, entra Hex, artista inglês, para aquecer a noite. “I’m in Portugal right now”, diz o rapper, surpreendido pelo apoio do público portuense. A atuação de abertura terminou com uma apresentação exclusiva daquele que será o seu próximo single.

Às 21h50, a banda entra no palco, acompanhada de gritos entusiasmados. Com os telemóveis no ar e em modo de vídeo, o público vibra ao som de “FMR”, single lançado em 2016. Poucos segundos depois, Mishlawi entra, e a euforia oficialmente instala-se no Hard Club.

Fotografia: Joana Jacques.
Fotografia: Joana Jacques.

 

“Graças a vocês, temos duas datas esgotadas aqui” disse o artista, encantado com a receção calorosa por parte dos fãs. Em seguida voltou atrás no tempo, para um dos seus primeiros trabalhos, “Always On My Mind”, recordando o público de que este era um tema para os que o acompanham “since day one”.

Num momento mais íntimo, Mishlawi aproveita para trocar algumas palavras com os fãs e, mais uma vez, agradecer pelo apoio. “Quem veio ter comigo na semana passada? Quem esteve que levante a mão!”, pergunta, enquanto algumas mãos se levantam – o rapper esteve pela primeira vez no Porto na semana passada para uma sessão de autógrafos na Fnac.

“Já agora, na semana passada comi a minha primeira francesinha!”, continua, com um sorriso largo na cara. Mishlawi aproveitou ainda para apresentar a banda que o vai acompanhar na digressão, antes de começar “Uber Driver” num formato acústico – último single lançado pelo artista, cujo vídeo tem a presença da atriz e apresentadora Carolina Loureiro. Posteriormente, concentrou-se em temas do seu último lançamento, como “Too Basic”, “Audemars” e “Win Some Lose Some”.

Sempre de um lado para o outro, o luso-americano fez de tudo para que cada fã vivesse aquele concerto da melhor maneira possível. O artista não deixou de exibir os seus passos de dança, em múltiplas interações com o guitarrista, o baterista, e, claro, o público. Uma verdadeira explosão de hip-hop.

When I say Bridge, you say Town. Bridge-Town, Bridge-Town!”: foi assim que Mishlawi apresentou o primeiro convidado da noite, Richie Campbell – o responsável pela filiação de Mishlawi com a editora Bridgetown Records. Depois de uma atuação exaltante de “Bohoo”, a dupla passou para “Rain”, que arrebatou o Hard Club, principalmente quando Plutónio, artista ligado à mesma editora, entrou. Transbordava felicidade nos rostos dos fãs, completamente satisfeitos com a surpresa que o autor de Solitaire trouxe consigo.

De maneira a recuperar o fôlego, o artista baseado em Cascais interpretou o seu tema mais desafiante, “Limbo”. Esta foi a primeira música que marcou o artista ao R&B, e é uma que explora as suas capacidades vocais. Num cenário mais intimista, pediu ao público que ligasse as lanternas dos telemóveis. Mishlawi cantava em uníssono com os fãs, que por vezes fechavam os olhos e deixavam-se levar pela melodia da música.

“All Night” foi outra faixa marcante. Como primeiro single do artista, representa o início da sua carreira e continua a ser uma das mais reconhecidas do seu repertório. Os fãs cantaram, palavra a palavra, do início ao fim, deixando-o, mais uma vez, perplexo pelo carinho que recebeu. Mas foi “Ignore” a encerrar a noite, também esta com direito a muitos saltos e muitas mãos no ar.

Mishlawi agradece ao público pelo amor, faz uma vénia de despedida e diz “até amanhã” para quem vai ao segundo concerto. Completamente abatido pelo concerto, o público ainda espera uns minutos para assimilar que o músico já não volta. No seu primeiro concerto em nome próprio, desde os convidados especiais à contínua interação, não deixou nada a faltar.

O artista volta apresentar-se no Hard Club – novamente com a sala esgotada – a 23 de fevereiro, antes de terminar a digressão no Coliseu de Lisboa a 9 de março.

Fotografia: Joana Jacques.
Fotografia: Joana Jacques.