Cultura

A (SIN)ENERGIA DOS LINDA MARTINI

Os Linda Martini atuaram nos Maus Hábitos nos dias 11 e 12 de dezembro. Os concertos ficaram marcados por um alinhamento escolhido pela audiência.

Estávamos em 2006 quando os Linda Martini atuaram pela última vez nos Maus Hábitos. Tratava-se do ano de lançamento do primeiro disco do grupo. Doze anos e cinco álbuns depois, a banda portuguesa regressou à sala de espetáculos, onde o JUP marcou presença.

tour “Agora Escolha” tem percorrido o país com um conceito interessante: o público que compra bilhetes seleciona o alinhamento do seu respetivo concerto. Por isto, os fãs que encheram os Maus Hábitos na quarta-feira não sabiam bem o que esperar. Dez minutos depois da hora marcada, descobriram.

Os elementos da banda entraram em cena, e, depois de um curto “boa noite”, começaram o espetáculo. A primeira música tratou-se do primeiro trabalho alguma vez libertado, “Este Mar”. O crescendo da composição conseguiu animar imediatamente o público.

O conjunto não parou e, de forma seguida, tocaram “Panteão”, “Europeu Comum”, “Boca de Sal”, “Amor Combate” e “Óssa Menor”. As rajadas de rock não davam descanso à audiência, que vibrava com cada nota. As cordas vocais também estavam a ser muito utilizadas, pois os fãs entoavam as letras em uníssono.

Os exigentes dez minutos de “Lição de Voo Nº 1” levaram a que Cláudia Guerreiro, baixista, abraçasse o vocalista e guitarrista, André Henriques. Foi um momento curto de união, um sentimento que abrangeu todos os elementos da banda, assim como o público presente.

“Volta” foi a faixa que se seguiu e, após a sua conclusão, Cláudia dirigiu-se ao público. Um agradecimento à sala cheia e a lembrança do caminho percorrido nos doze anos desde a última atuação dos Maus Hábitos arrancaram aplausos de incentivo.

No palco encontrava-se o alinhamento, contudo num código humorístico. “É para os da frente deixarem de adivinhar qual é a seguir”, revelou a baixista. “Olha vejam se conseguem saber a próxima.” A explosão de alegria depois das primeiras notas de “Estuque” não deixa dúvidas que os fãs estiveram à altura do desafio.

“Dá-me a tua melhor faca”, “As Putas Dançam Slow” e “Unicórnio de Sta. Engrácia” continuaram o concerto. “Cem Metros Sereia” foi a subsequente e o ritmo frenético levou os Maus Hábitos ao rubro. Mesmo após o seu fim, o público continuou a entoar a mantra “Foder é perto de te amar, se eu não ficar perto” durante um minuto. Os elementos da banda sorriram com tanto carinho dos seus fãs.

“Se Me Agiganto” e “Gravidade” seriam as escolhidas para finalizar a parte principal da atuação. “É a última”, dizia Cláudia, porém ninguém acreditou. Os Linda Martini abandonaram o palco durante dois minutos antes de regressarem.

encore teve um início em falso, pois havia problemas técnicos com o baixo. Hélio Morais, o baterista, aproveitou para brincar com a situação e obter gargalhadas do público. Resolvidos os problemas, a banda admitiu que esta seria “uma noite que ficará no coração”. A música prosseguiu, finalmente, com “Putos Bons” e a derradeira do espetáculo, “Quase se Fez Uma Casa”.

O regresso dos Linda Martini aos Maus Hábitos não só provou a pujança dos artistas, como também evidenciou a sinergia que estes têm com o seu público.