INDIE MUSIC FEST 2018: O 6º ANO DO BOSQUE – Jornal Universitário do Porto
Cultura

INDIE MUSIC FEST 2018: O 6º ANO DO BOSQUE

O Indie Music Fest está de volta a Baltar para mais uma edição. O cartaz foi encerrado na quarta feira passada e as surpresas são muitas.

A celebração artística independente tem data marcada para 30 e 31 de agosto e 1 de setembro (de quinta-feira a sábado). O festival – que foi considerado o Melhor Micro Festival do país pelos Portugal Festival Awards – encerra a temporada de festivais de verão.

Já confirmados no cartaz estavam as bandas Eanes, Dreamweapon, Quadra, Máquina del Amor, Panado, Keep Razors Sharp, Huggs, Throes + The Shine, YUZI, Pé Grande, Travo, NU, Gator, The Alligator, Filipe Sambado & Os Acompanhantes de Luxo, trêsporcento, Solar Corona, Iguana Garcia, :papercutz, The Faqs e It was the Elf.

Agora, estarão, também, presentes nestes três dias de festa: Mundo Segundo, Conan Osiris, Luís Severo, Vaarwell, Prana, Omodo, The Jaqueline, DON PIE PIE, Pântano, Rei Bruxo e Glaucoma.

Indie Music Fest terá, como sempre, lugar marcado no Bosque do Choupal, em Baltar, Paredes. Neste bosque mágico, os festivaleiros poderão contar com o Mercado Indie, com o campismo, a piscina e os transfers da estação CP Paredes gratuitos.

Destacamos cinco concertos a não perder no micro festival.

Trêsporcento

Os trêsporcento são um quinteto de Lisboa. Em 2006, Tiago Esteves, Lourenço Cordeiro, Salvador Carvalho, Pedro Pedro e António Moura tiraram as guitarras dos armários e voltaram a tocar. Em 2009 lançaram o seu primeiro EP. “Território Desconhecido” é o terceiro álbum e já celebrou o seu primeiro aniversário. As suas melodias hipnotizantes serão, certamente, bem acolhidas pelos indies.

:PAPERCUTZ

Bruno Miguel é o motor dos :papercutz. A banda com sede no Porto funciona com artistas convidados; de momento, é Catarina Miranda – conhecida pelo seu projeto a solo, como emmy Curl – que volta a dar voz a este projeto. Da banda eletrónica pode ser esperado um álbum para breve, assim como um concerto bastante animado.

Throes + The Shine

Um concerto bastante animado será, também, o do Rockuduro. Decorria o ano de 2011 quando a banda de rock Throes se juntou ao duo de kuduro The Shine. Esta mistura improvável de géneros musicais, assim como a sua capacidade inata de pôr qualquer público a dançar, fez com que o grupo se tornasse num dos mais aclamados da música independente, não unicamente portuguesa, mas, também, angolana. “Wanga” é o último álbum produzido, partilhado com o público em maio de 2016 – o primeiro com colaborações e produzido em parceria com Moullinex. Diron Shine (voz), Igor Domingues (bateria) e Marco Castro (guitarra) irão sentir-se em casa no Bosque do Choupal.  

Luís Severo

Luís Severo quase que não precisa de apresentações. Anda por aqui desde 2010, primeiro com um heterónimo, o Cão da Morte, depois como ele próprio. Com seis álbuns editados, “Luís Severo” é o último, muito aclamado pela crítica. “Pianinho” foi o seu presente para os fãs no dia de natal, com gravações dos concertos no Vodafone Mexefest e no Festival Para Gente Sentada – com o seu formato de apenas voz e piano. Tendo, igualmente, vários projetos paralelos, o músico será uma “boa companhia” para o fim do verão.

Conan Osiris

Conan Osiris caiu na cena musical portuguesa vindo de outro planeta. Com 29 anos, Tiago Miranda foi buscar o seu nome artístico a Conan, o Rapaz do Futuro (de Miyazaki), e ao deus egípcio (Osiris). “Adoro Bolos” foi lançado no virar do ano, a 30 de dezembro de 2017. Desde então, o músico lisboeta tem vindo a ganhar cada vez mais atenção do público e destaque nos media. O seu concerto no Indie Music Fest será, certamente, algo a antecipar.

Os passes gerais estão à venda nos locais habituais e custam 30€.