Cultura

NOS PRIMAVERA SOUND: FEVER RAY AQUECEU, A$AP ROCKY EXPLODIU

Vince Staples e Grizzly Bear marcaram também o segundo dia do festival.

Já faz sol no Primavera. A tarde convida os festivaleiros a sentarem-se na relva enquanto apreciam os concertos de alguns nomes como Black Bombain, Breeders e Yellow Days. Outros visitantes preferem aproveitar as diferentes ofertas do recinto: o wine bar, o parque para crianças, os baloiços em madeira ou a tenda de customização gratuita de peças Levi’s.

Pelas 20h50, já se reúne o público junto ao palco SEAT para ouvir Grizzly Bear. A banda nova-iorquina apresenta o seu último álbum, Painted Ruins, lançado em agosto do ano passado, pela primeira vez em Portugal. Desse álbum, surgem as primeiras duas músicas: “Losing All Senses” e “Cut-Out”. Regressam a Shields (2012) para “Yet Again”, que dispara repentinamente numa combinação explosiva de guitarra e bateria e que anima a plateia.

A viagem no tempo leva-nos ainda mais longe, a Veckatimest, de 2009, com “Fine For Now”. A “Ready, Able” merece palmas ritmadas nos primeiros segundos de instrumental. “So glad it’s not raining!”, exclama Edward Droste, um dos vocalistas e guitarristas da banda, antes da “Mourning Sound”.

O concerto desenrola-se e o público canta, já habituado a este rock progressivo e experimental, com uma atmosfera soturna e suave, dos norte-americanos. Terminam o concerto com a “Sun In Your Eyes” e resta ao público esperar que o último verso – “I’m never coming back” – não se concretize.

No palco Super Bock, um aglomerado de pessoas – à frente de pé, mais atrás sentadas – escutam um rock barulhento, mas não incomodativo. São os Shellac, a banda norte-americana que conta já com 26 anos de carreira e que se abstém de tocar em festivais… A não ser no Primavera. O trio entretém o público com vozes desprendidas, soltas, que contam histórias, acompanhadas por bateria, guitarra e baixo, numa escalada até ao momento em que os instrumentos sobrepõe-se aos vocais e tornam-se os protagonistas.

O rock salta para o hip-hop no palco ao lado, pelas 22h15. É a vez de Vince Staples subir ao palco NOS. O rapper percorre os seus dois álbuns: Summertime ’06 (2015) e Big Fish Theory (2017), através de músicas como “Lift me Up”, “Bagbak” e “Rain Come Down”, com uma projeção de um conjunto de ecrãs em background, que transmite diferentes imagens, associadas à letra escutada.

“745” foi motivo suficiente para o público erguer as mãos e cantar com Staples. “Ascension” é a música que o rapper partilha com os Gorillaz, no seu novo álbum, Humanz. A batida viciante e as palavras com efeito chiclete deixam todos a saltar. Do EP Hell Can Wait (2014), surge “Blue Suede” e é a prova de que Vince Staples já tem este som próprio e caraterístico – que mistura o rap, o hip-hop e a eletrónica com mestria – há alguns anos e que se o hip-hop evoluiu neste sentido foi com o contributo do californiano.

“Norf Norf” deixa a plateia em êxtase. O espetáculo de Staples termina com “Yeah Right” e os fãs do hip hop abandonam o palco NOS com o contentamento de saberem que, mais tarde, quem o pisa é A$AP Rocky.

Antes, há Fever Ray para ver e ouvir no palco SEAT. Uma a uma, a banda feminina que a acompanha entra no palco, vestindo fantasias arriscadas que despertam a curiosidade e as palmas do público. A última a entrar é Karin Dreyer, metade dos The Knife, que se apresenta hoje – por completo – como Fever Ray. As luzes coloridas e o estilo da banda marcam o tom do concerto.

As portas deste mundo feminista, revoltado e sexual são abertas com “An Itch”, do seu último e segundo álbum, Plunge (2017). Do mesmo álbum, surge “This Country”. Na t-shirt branca que a artista sueca veste lê-se “I Love Swedish Girls” com uma cruz que risca o “Swedish”.

Passando por músicas como “Mustn’t Hurry”, “Wanna Sip”, “Red Trails”, “Mama’s Hand” e as muito esperadas “IDK About You” e “To The Moon and Back”, a performance das artistas constrói-se com poses sexuais e danças arriscadas, ao mesmo tempo que desconstroem o público, que se rende ao espetáculo.

Testing, Testing, Testing“, ouve-se do palco NOS. O mais recente álbum de A$AP Rocky foi lançado há menos de um mês e chega ao NOS Primavera Sound. Depois de “Praise the Lord”, A$AP dirige-se ao público. “Our parents are afraid that we’re gonna smoke too much weed, we’re gonna get too drunk” e responde com a “Kids Turned Out Fine”, cantada pela multidão que ocupa a zona do palco NOS.

Rocky tem direito a uma plataforma que irrompe pelo meio do público, tal Moisés que abre o mar, e ocupa-a ao longo de todo o concerto. “RAF”, a música em parceria com outro A$AP, Mob, é recebida com euforia.

Seguem-se músicas como “OG Bepper”, “Everyday” e “Fucking Problems”. Mesmo os mais hesitantes ao rap com variantes experimentais de A$AP Rocky são arrebatados pela energia de Rocky e o espetáculo de luzes e fogo. O rapper conseguiu criar uma bola de entusiasmo condensado no público, que se despede de A$AP com a “Wild For The Night”, do Long. Live. ASAP. Ainda houve tempo para um mergulho no mar de público.

No final, contabilizam-se dois moches e dois sutiãs oferecidos a A$AP Rocky, naquele que foi O concerto do segundo dia do NOS Primavera Sound.

A noite continuou no palco Pitchfork, cheio, com a eletrónica do britânico Floating Points.

O último dia do NOS Primavera Sound reserva para os festivaleiros as atuações de Rolling Blackouts Coastal Fever, The War on Drugs, Mogwai e os cabeça de cartaz Nick Cave and The Bad Seeds.