Cultura

GRAMMYS: BRUNO MARS FOI O GRANDE VENCEDOR

Bruno Mars venceu os três Grammys mais importantes: Álbum do Ano, Canção do Ano e Gravação do Ano. A noite ficou também marcada por recados políticos do movimento #MeToo e contra o Presidente Trump. A cerimónia teve lugar, esta madrugada, em Nova Iorque.

A cerimónia deste ano dos Prémios Grammy decorreu durante esta madrugada, em Madison Square Garden, com a apresentação do britânico James Corden. Foi a primeira vez em 15 anos que a cerimónia se realizou em Nova Iorque, substituindo Los Angeles, no ano em que os Grammys celebram 60 anos.

O grande destaque da noite vai para a vitória de Bruno Mars nas três categorias principais: Álbum do Ano (“24K Magic”), Canção do Ano (“That’s What I Like”) e Gravação do Ano (“24K Magic”).

O prémio de Melhor Performance Pop a Solo foi para “Shape of You”, de Ed Sheeran, que não esteve presente na cerimónia.

Alessia Cara conquistou o prémio de Melhor Novo Artista  – intérprete de canções como “Scars To Your Beautiful”, “Here” e  “Stay”. Com Logic e Khalid, cantou “1-800-273-8255”, uma música contra o suicídio, já na parte final da cerimónia. No final dessa atuação, enquanto ainda tocavam os últimos acordes, o rapper Logic dava um recado para Trump:

“Para todos os países bonitos, cheios de cultura e diversidade e milhares de anos de história – vocês não são países de m*rda [shithole countries]“.

Como já se esperava, a cerimónia ficou marcada por momentos de crítica política e social – tanto ao Presidente Trump, como em relação aos escândalos de assédio sexual, em solidariedade com o movimento #MeToo.

Durante a noite, o branco foi a cor que predominou, numa homenagem às vítimas de assédio sexual e às reivindicações do movimento #MeToo. Por todo o lado, viram-se muitas rosas brancas – na roupa dos cantores ou apresentadores, ou até no piano de Elton John. Dizia a cantora Janelle Monáe:

“Tenho orgulho em estar aqui em solidariedade para com mulheres da indústria (…). E para aqueles que nos tentam silenciar, dou-vos duas palavras: o tempo está a acabar [time’s up]. O tempo está acabar para discriminação, assédio e abuso de poder.” O problema “não é só o que se passa em Hollywood, ou em Washington, é o que acontece aqui, na indústria”.

O ponto alto da homenagem ao movimento #MeToo foi uma atuação que juntou Ke$ha, Cindy Lauper, Julia Michaels, Bebe Rexha e Camilla Cabello, que cantaram a música “Praying”. Todas mulheres, vestidas de branco, acompanhadas por um coro de vozes femininas, com roupa da mesma  cor. A performance acabou com todas elas a abrançarem-se em palco e Ke$ha visivelmente emocionada.

A certa altura, o apresentador James Corden brincou com o facto de dois ex-presidentes (Barack Obama e Bill Clinton) terem vencido no passado o melhor Álbum de Spoken Word: “O nosso presidente gosta muito de ganhar prémios, e talvez inspire o vencedor do ano que vem… Só não sabemos quem será o narrador!”. Simulou, num sketch pré-gravado, um casting no qual participavam figuras como  John Legend, Snoop Dog, DJ Khaled ou Cardi B a ler passagens de “Fire and Fury”, o livro de Michael Wolff sobre Trump. A última foi, nada mais nada menos, do que Hillary Clinton. “Está escolhido!”, dizia James Corden.

A  crítica política esteve presente mal o programa começou, com a performance de Kendrick Lamar – que contou com a participação dos U2 e do comediante Dave Chappelle. A certa altura, dançarinos vestidos de vermelho “morriam” em palco, um a um, numa atuação simbólica. A plateia aplaudiu de pé, com uma grande ovação. Kendrick venceu 5 Grammys ontem à noite, incluindo o de Melhor Álbum Rap (“DAMN”.).

A segunda a atuar foi Lady Gaga, num grande piano decorado com penas em tons de prata, que pareciam formar umas asas. Tocou um medley: primeiro , uma performance emotiva de “Joanne”, música dedicada à irmã do seu pai com o mesmo nome, que faleceu; depois, o seu êxito “Million Reasons”.

Sam Smith interpretou a música “Pray” e contou com a presença de um coro em palco, que deu às palavras do britânico um sentido ainda mais apoteótico. O cantor pôs a sala toda a bater palmas no refrão.

A banda country Little Big Town cantou “Better Man”, música composta por Taylor Swift e vencedora do prémio de Melhor Performance Country em Duo ou Grupo.

Houve tempo para ouvir Daddy Yankee e Luis Fonsi, que cantaram o êxito mundial de streaming “Despacito” – canção que esteve nomeada para Melhor Música e Melhor Gravação.

A atuação seguinte foi a de Childish Gambino (nome por que é conhecido o ator Donald Glover, no mundo da música), que trouxe a energia soul e os falsetes a que nos habituou. O norte-americano, nomeado para Melhor Álbum do Ano com “Awaken, My Love”, cantou a música “Terrified”.

Vestida de branco, apareceu P!nk, com uma interpretação sentida de “Wild Hearts Can’t Be Broken”, onde mostrou a sua enorme técnica vocal – e que teve a particularidade de ser acompanhada por uma intérprete de língua gestual. Arrancou enormes aplausos da assistência.

Durante o show, o apresentador da cerimónia James Corden trouxe vários momentos de entretenimento. Um deles foi um sketch pré-gravado, intitulado “Subway Karaoke”,  a versão nova-iorquina do seu êxito televisivo “Carpool Karaoke”. Corden fazia-se acompanhar de Sting e Shaggy, no Metro de Nova Iorque, e começavam a cantar no meio de uma carruagem. Os nova-iorquinos exigiam: “Calem-se!”, “Não te queremos ouvir…” – terminando o sketch com James a levar um soco de um dos passageiros do metro.

A seguir, Cardi B e Bruno Mars cantaram “Finesse”, deixando o palco cheio de cores, dançarinos e energia. Sting trouxe ao palco uma versão diferente de “Englishman in New York”, com a participação de Shaggy. DJ Khaled, Rihanna e Bryson Tiller tocaram o êxito “Wild Thoughts”.

Em homenagem às vítimas aos tiroteios de de Las Vegas e de Manchester, Maren Morris, Eric Church e Brothers Osborne cantaram “Tears in Heaven”, numa performance country e acústica, com três guitarras em palco.

Houve tempo para ver os U2 a atuarem num local cheio de simbolismo, junto ao rio Hudson e à Estátua da Liberdade. A certa altura, Bono pegou num megafone com a bandeira americana, gritando palavras de ordem.

Elton John interpretou “Tiny Dancer”, com uma rosa branca em cima do piano, num dueto com Miley Cyrus, que apareceu a meio da performance, num vestido comprido vermelho, trazendo uma interpretação com toques country da música do britânico. A sala inteira levantou-se para aplaudir, com uma grande ovação.

A cerimónia quis também homenagear  os compositores Leonard Bernstein e Andrew Lloyd Webber.  Ben Platt interpretou “Somewhere”, acompanhado apenas por violencelo e guitarra; Patti Lupone cantou “Don’t Cry For Me Argentina”, com uma orquestra. Ambas as atuações receberam muitos aplausos.

SZA, um dos nomes que deu que falar na música em 2017, mostrou os seus dotes vocais numa enérgica interpretação de “Broken Clocks”.

Houve ainda uma homenagem a Tom Petty pelas vozes e guitarras acústicas de Chris Stapleton e Emmylon Harris, que tocaram “Wildflowers”.

Por fim, chegávamos ao momento mais aguardado da cerimónia: o anúncio do vencedor do Álbum do Ano. Os apresentadores Bono e The Edge, dos U2, salientaram a importância do prémio, e de “como é quase impossível fazer um excelente álbum”.

Bruno Mars, visivelmente feliz, dizia que “este álbum quis trazer amor, ver toda a gente a dançar e a mexer-se”, depois de congratular os restantes nomeados.

 

Fica aqui a lista de princpais vencedores:

Álbum do ano
Childish Gambino – “Awaken, My Love!”
JAY-Z – 4:44
Kendrick Lamar – DAMN.
Lorde – Melodrama
Bruno Mars – 24K Magic

Gravação do ano
Childish Gambino – “Redbone”
Luis Fonsi & Daddy Yankee featuring Justin Bieber – “Despacito”
JAY-Z – “The Story of O.J.”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Bruno Mars – “24K Magic”

Canção do ano
Luis Fonsi & Daddy Yankee featuring Justin Bieber – “Despacito”
JAY-Z “4:44”
Julia Michaels – “Issues”
Logic – “1-800-273-8255”
Bruno Mars – “That’s What I Like”

Artista Revelação
Alessia Cara

Khalid
Lil Uzi Vert
Julia Michaels
SZA

Melhor performance pop a solo
Kelly Clarkson – “Love So Soft”
Kesha – “Praying”
Lady Gaga – “Million Reasons”
P!nk – “What About Us”
Ed Sheeran – “Shape Of You”

Melhor performance pop de duo ou grupo
The Chainsmokers and Coldplay – “Something Just Like Us”
Luis Fonsi & Daddy Yankee featuring Justin Bieber – “Despacito”
Imagine Dragons – “Thunder”
Portugal. the Man – “Feel It Still”
Zedd and Alessia Cara – “Stay”

Melhor álbum de pop vocal:
Coldplay – Kaleidoscope EP
Lana Del Rey – Lust For Life
Imagine Dragons – Evolve
Kesha – Rainbow
Lady Gaga – Joanne
Ed Sheeran – ÷ (Divide)

Melhor gravação de dança
Bonobo featuring Innov Gnawa – “Bambro Koyo Ganda”
Camelphat and Elderbrook – “Cola”
Gorillaz featuring DRAM – “Andromeda”
LCD Soundsystem – “Tonite”
Odesza featuring WYNNE and Mansionair – “Line of Sight”

Melhor álbum de dança/eletrónica
Bonobo – Migration
Kraftwerk – 3-D The Catalogue
Mura Masa – Mura Masa
Odesza – A Moment Apart
Sylvan Esso – What Now

Melhor performance rock
Leonard Cohen – “You Want It Darker”

Chris Cornell – “The Promise”
Foo Fighters – “Run”
Kaelo – “No Good”
Nothing More – “Go To War”

Melhor canção rock
Metallica – “Atlas, Rise!”
K.Flay – “Blood in the Cut”
Nothing More – “Go to War”
Foo Fighters – “Run”
Avenged Sevenfold – “The Stage”

Melhor álbum rock
Mastodon – Emperor of Sand
Metallica – Hardwired…To Self-Destruct
Nothing More – The Stories We Tell Ourselves
Queens of the Stone Age – Villains
The War on Drugs – A Deeper Understanding

Melhor álbum de música alternativa
Arcade Fire – Everything Now
Gorillaz – Humanz
LCD Soundsystem – American Dream
Father John Misty – Pure Comedy
The National – Sleep Well Beast

Melhor performance de metal
August Burns Red – “Invisible Enemy”
Body Count – “Black Hoodie”
Code Orange – “Forever”
Mastodon – “Sultan’s Curse”
Meshuggah – “Clockworks”

Melhor performance R&B
Daniel Caesar featuring Kali Uchis – “Get You”
Kehlani – “Distraction”
Ledisi – “High”
Bruno Mars – “That’s What I Like”
SZA – “The Weekend”

Melhor canção R&B
PJ Morton – “First Began”
Khalid – “Location”
Childish Gambino – “Redbone”
SZA – “Supermodel”
Bruno Mars – “That’s What I Like”

Melhor álbum urbano contemporâneo
6LACK – Free 6LACK
Childish Gambino – “Awaken, My Love!”
Khalid – American Teen
SZA – Ctrl
The Weeknd – Starboy

Melhor Álbum R&B
Daniel Caesar – Freudian
Ledisi – Let Love Rule
Bruno Mars – 24K Magic
PJ Morton – Gumbo
Musiq Soulchild – Feel the Real

Melhor performance rap
Big Sean – “Bounce Back”
Cardi B – “Bodak Yellow”
JAY-Z – “4:44”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Migos featuring Lil Uzi Vert – “Bad and Boujee”

Melhor performance rap/cantado:
6LACK – “Prblms”
Goldlink featuring Faiyaz & Shy Glizzy – “Crew”
JAY-Z featuring Beyoncé – “Family Feud”
Kendrick Lamar featuring Rihanna – “LOYALTY.”
SZA featuring Travis Scott – “Love Galore”

Melhor canção rap
Cardi B – “Bodak Yellow”
Danger Mouse featuring Run the Jewels and Big Boi – “Chase Me”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Rapsody – “Sassy”
JAY-Z – “The Story of O.J.”

Melhor álbum rap
JAY-Z – 4:44
Kendrick Lamar – DAMN.
Migos – Culture
Rapsody – Laila’s Wisdom
Tyler, the Creator – Flower Boy

Melhor banda-sonora para media visual
Baby Driver
Guardians of the Galaxy Vol 2.: Awesome Mix Vol. 2
Hidden Figures
La La Land
Moana: The Songs

Melhor partitura para media visual
Jóhann Jóhannsson – Arrival
Hans Zimmer – Dunkirk
Ramin Djawadi – Game of Thrones: Season 7
Benjamin Wallfisch, Pharrell Williams & Hans Zimmer – Hidden Figures
Justin Hurowitz – La La Land

Melhor álbum de comédia
Dave Chappelle – The Age of Spin & Deep in the Heart of Texas
Jim Gaffigan – Cinco
Jerry Seinfeld – Jerry Before Seinfeld
Sarah Silverman – A Speck of Dust
Kevin Hart – What Now?

Melhor álbum de spoken word
Neil deGrasse Tyson – Astrophysics for People in a Hurry
Bruce Springsteen – Born to Run
Shelly Peiken – Confessions of a Serial Songwriter
Bernie Sanders and Mark Ruffalo – Our Revolution: A Future to Believe In
Carrie Fisher – The Princess Diarist

Melhor canção escrita para media visual
Ryan Gosling and Emma Stone – “City of Stars” (La La Land)
Lin Manuel Miranda – “How Far I’ll Go” (Moana)
Zayn and Taylor Swift – “I Don’t Wanna Live Forever” (Fifty Shades Darker)
Sia – “Never Give Up” (Lion)
Andra Day featuring Common – “Stand Up For Something” (Marshall)

Produtor do ano, não clássico
Calvin Harris
Greg Kurstin
Blake Mills
No I.D.
The Stereotypes

Melhor videoclip
Beck – “Up All Night”
Jain – “Makeba”
JAY-Z – “The Story of O.J.”
Kendrick Lamar – “HUMBLE.”
Logic featuring Alessia Cara and Khalid – “1-800=273-8255