Cultura

HARD CLUB VOLTA A RECEBER TRIBUTO A NIRVANA

Na década de 80, dois amigos, que frequentavam Aberdeen High e se encontravam em ensaios pautados pelos ritmos de The Melvins, imaginaram uma banda. Mal sabiam Kurt Cobain e Krist Novoselic que, ao instituir em 1987 os Nirvana, estariam a apresentar ao mundo uma das bandas mais relevantes da história do Rock.

Na passada sexta-feira, os sons que definiram a Geração X encheram o Hard Club graças às vozes e instrumentos de Miguel Bello (Lulla Bye), Pedro Afonso (Homem Mau) e Pedro Alves (Homem Mau). O trio reuniu pessoas de todas as idades num concerto íntimo, descontraído e divertido de tributo à mítica banda de Seattle.

Entre conversas e piadas com a plateia, percorreram temas como Breed, Polly, Rape Me e Dumb. Algumas das canções mais populares da noite foram Heart Shaped Box, Lithium e a inconfundível Smells Like Teen Spirit. A plateia acompanhou Miguel Bello na letra de Come As You Are e teve direito a partilhar o palco com a banda durante o encore.

Não se trata do primeiro tributo que fazem ao grupo desparecido em 1994 com o suicídio do vocalista. “Esta segunda reunião faz ainda mais sentido agora, passados 20 anos (da morte de Kurt Cobain)” conta-nos Miguel Bello, que admite já ter integrado outras bandas de tributo a Nirvana.
Músicas e álbum predileto não têm, “Gostamos de todas e queríamos ter incluído outras que não tivemos tempo de ensaiar”, confessa o vocalista dos Lulla Bye.

A banda que se estreou com o álbum Bleach e se afirmou com Nevermind, apesar da sua curta duração, continua a ser muito popular entre gerações posteriores ao seu término.

Questionamos o trio sobre os motivos que poderiam levar jovens e adolescentes a seguir as sonoridades abrasivas associadas a Cobain, Novoselic e Grohl. Em resposta, relembraram a sua juventude passada a perseguir temas de grupos que já não existiam. Pedro Afonso rapidamente comparou o público com que partilharam o palco aos públicos de que faziam parte na sua adolescência “Acho que é um bocado parecido com a altura em éramos putos e assistíamos a tributos dos Led Zeppelin.”. Entre memórias e referências a The Doors, é a conclusão lançada por Pedro Alves que acaba por reunir todos em consenso “Os Nirvana são populares e, muito provavelmente vão continuar a ser. São, simplesmente, um fenómeno sem explicação.”

“Um fenómeno sem explicação” que continua a mover multidões e pode muito bem significar uma terceira reunião entre estes três colegas de trabalho “Voltar? Não planeamos nada disso. Talvez. Se as pessoas quiserem.” anunciam, quase em coro, enquanto alguns fãs esperam para lhes deixar um “Foi brutal, obrigado!”.