Cultura

DIDI-HUBERMAN EM SERRALVES

Segundo Didi-Huberman, a cinematomaquia que Godard e Pasolini protagonizaram nos anos 1960 não é irreconciliável. O diferendo que os opuseram, centrado essencialmente nas questões do cinema e da poesia, revela-se, quando visto de modo holístico, da ordem do «fratricídio». Não que Godard e Pasolini proviessem de uma fratria cinéfila separada pelo capricho do destino, mas de uma fratria em devir. Como se, embora antagónicos, o crítico dos Cahiers du Cinéma paladino da Nouvelle Vague e o cineasta-poeta das «rimas visuais» chkloskianas parecessem convergir para uma génese cinematológica comum; como se, o radicalismo antagónico desses dois cineastas não aguardasse outra coisa que se extravasar, reciprocamente, em completude.

Defendida perante a plateia do auditório da Fundação de Serralves no passado sábado 29 de março por Didi-Huberman, professor e historiador da arte francês autor, entre outros, de Devant l’image (1990), Ce que nous voyons, ce qui nous regarde(1992) e Devant le temps (2000), a «différance» de Godard e Pasolini foi inteligentemente ilustrada pelo recurso ao método de presentação iconográfica popularizada por Aby Warburg. Deste dispositivo, resultou um efeito de justaposição entre os fotogramas emparelhados de Godard e Pasolini, fazendo com que, através desta fusão visual, semântica e mnemónica, o antagonismo desses dois cineastas se materializasse em dialogismo. Ao Museu Imaginário de Malraux a Cinemateca Imaginária de Didi-Huberman

Mas, ao contrário do tético oracular e das sentenças acutilantes da arrogância intelectual de Malraux, da conferência do Didi-Huberman emanou, como que, a Generosidade. O discurso de Didi-Huberman – ele, aliás, que se interessa pela questão da «autoridade do artista», ou seja da conotação absolutista e imperialista que o discurso do artista exerce sobre o público – foi o de um ser afável, benevolente para com a plateia. Talvez possamos dizer que a principal demonstração de Didi-Huberman foi o da humildade do professor na sua mais pura generosidade.